Nordeste

Chapada Diamantina

A Chapada Diamantina é um parque nacional protegido que compreende as montanhas de Sincora, com planícies planas, cascatas escondidas e cavernas etéreas. 

Embora pouco conhecida fora do Brasil, é um paraíso para o aventureiro que gosta de ar livre com algumas fantásticas caminhadas, cavernas para natação, milhares de cachoeiras, vistas deslumbrantes e riachos tão limpos que você pode até beber a água. 

Há um punhado de pequenas aldeias antigas de mineração na área que pouco mudaram desde o fim do “boom” da mineração de diamantes. Lindas piscinas naturais também são vistas facilmente.

A Chapada Diamantina ainda é um local pouco visitado, apesar da grande fama recente, e premia o seu visitante com vistas deslumbrantes.

Melhores meses para visitar a Chapada Diamantina

A Chapada Diamantina pode ser visitada em qualquer época do ano.

Novembro até março, no entanto, é a estação chuvosa, o que significa que pode ser bem mais difícil visitar cachoeiras e ter aquela vista “limpa” esperada, mas também é um bom período.

A época de verão ainda é um momento popular para ir porque as temperaturas são altas e as cachoeiras e rios são muito mais bonitos. 

A parte mais seca do ano é de abril a outubro, o que faz com que sejam bons meses para visitar. É sempre bom lembrar que você deve esperar chuva em todas as épocas do ano.

O que fazer na Chapada Diamantina

1. Vale do Capão, no Chapada Diamantina

Muitos turistas vão até Lençóis, mas se você quiser sair dos caminhos já conhecidos e não quiser estar condicionado a minivans com 10 a 20 pessoas, vá direto ao Vale do Capão

O Vale do Capão está muito próximo das principais trilhas do Parque Nacional da Chapada Diamantina e oferece uma vista incrível das montanhas.

2. Cachoeira da Fumaça, na Chapada Diamantina

Essa jornada de 4 horas (ida e volta) é muito famosa por ser a mais alta queda livre do Brasil (380 metros). 

Antes de chegar ao solo, a água sopra em uma fina névoa parecida com fumaça. Os trekkistas apreciarão a vista panorâmica do Vale do Capão, a biodiversidade no topo da montanha da mesa e a vista deslumbrante do cânion que cerca a cachoeira da Fumaça.

3. Cachoeira do Riachinho, na Chapada Diamantina

Uma grande piscina natural com uma bela vista do Vale do Rio Preto – a 4 km da entrada da trilha da Cachoeira da Fumaça. Basta andar 200m da estrada e você vai chegar lá. 

Você pode facilmente passar um par de horas apenas apreciando a água e ver.

4. Vale do Pati na Chapada Diamantina

Considerado por algumas revistas como a melhor caminhada do Brasil, esse é um vale incrível. Você pode fazer a caminhada entre 1 a 6 dias. 

Em 1 dia você precisará fazer 50 quilômetros de jipe, em 4 dias quase nenhum. 

Se você tiver tempo, vale a pena gastar pelo menos 3 dias fazendo essa caminhada. Você pode dormir nas casas dos habitantes nativos ao longo do caminho. 

Você precisa de um guia para fazer essa caminhada. E tenha cuidado, porque você vai se apaixonar pelo parque nacional, canyons, cachoeiras, mata atlântica e espetaculares montanhas de mesa.

5. Cachoeira Morrão e Águas Claras 

A entrada desta trilha é próxima à Cachoeira do Riachinho. Você caminhará em direção ao imponente Tambor Hill e desfrutará de excelentes vistas dos Three Brothers Hills ( tres irmaos ). Ali há outra linda cachoeira onde você pode se refrescar.

Outras atrações na Chapada Diamantina

  • Boas visitas culturais também incluem as cidades coloniais de Lençóis, Mucugê e Rio de Contas. Visite também a cidade fantasma de Igatu e o Marimbus Wetlands.
  • Saúde e serviços espirituais – O vale é um ótimo lugar para o desenvolvimento pessoal e relaxante: massagens ayurvédica, reiki, yoga, meditação, iridiologia, pilates, naturoterapias, aromaterapias, respiração holotrópica.
  • Arte – Danças sagradas, contato improvisação dança; muitos músicos vivem lá, depois há concertos de música do mundo (geralmente acontecem no circo).
  • Capoeira – tente capoeira longe do estilo (às vezes) agressivo de dançarinos de Salvador .
  • Circo – Há um famoso circo aqui. Pessoas de toda a América do Sul vêm aqui para aprender novas técnicas. Centro cultural onde você conhecerá muitos viajantes (http://circodocapao.blogspot.com/2007/03/apresentao.html).
  • Aldeia de Igatu – Igatu é considerado um museu vivo da história da mineração de diamantes no Brasil. A pequena aldeia viveu o apogeu e o declínio da mineração, deixando sinais de sua história marcados pela arquitetura e estilo de vida dos atuais moradores. Piaba próxima ao rio, afluente do rio Paraguaçu, é limitada ao Parque Nacional da Chapada Diamantina. Através dela passam os rios pombos Good Thing, Orange e Tamburis.

Como chegar na Chapada Diamantina

Chegar na Chapada Diamantina de ônibus

De Salvador, vá até a rodoviária (rodoviaria) e pegue um ingresso para PALMEIRAS. (43 reais – 6/7 horas). você tem 2 partidas por dia. 7:00 e 23:30.

Onde se hospedar na Chapada Diamantina

Lençóis é a cidade mais desenvolvida da Chapada Diamantina, graças à sua posição acessível e à sua história como uma rica cidade de mineração e comércio no século 19 e além. 

Se você ficar no belo Hotel Canto dos Aguas, é uma caminhada de 2 minutos até a cidade, atravessando uma ponte muito bonita para a praça da cidade (Praça Nagôs).

Como a agricultura comercial e a mineração estão proibidas no Parque Nacional, as poucas famílias do Vale do Pati ganham a vida proporcionando acomodação aos caminhantes. 

Eles são básicos, mas impressionantes nas circunstâncias e bem mais confortáveis ​​do que acampar. Os mapas da Chapada têm as poucas casas marcadas e rotuladas com os nomes de seus habitantes.

Uma boa quantidade de pousadas baratas também está disponível em Palmeiras, a partir de 10 reais, mas não é muito recomendado ficar neste local, melhor ir direto para o Vale do Capão. Os jipes fazem a viagem por 12 reais geralmente, mas se você fretar um veículo para várias pessoas eles vão cobrar 50 reais. 

Vale do Capão: Muitos lugares para ficar para todos os orçamentos. Se você visitar a Pousada Sempre Viva, você terá muito espaço para sua barraca, além de bangalôs de cimento e quartos baratos com banheiro.

Para viajantes com orçamento limitado, vá para a pousada Sempre Viva . 3 minutos a pé do centro da cidade. Alojamento muito básico e muito barato.

Um ótimo hotel é Lendas do Capão . Esta pousada é incorporada à natureza em um belo cenário no vale com vista para as montanhas. Há um rio onde você pode nadar. Eles também têm um chalé em uma árvore centenária a 9m acima do solo. O proprietário é muito simpático. Eles ajudarão você a encontrar um guia bilíngüe e organizar passeios.

20 coisas indispensáveis para levar em sua mala para a Chapada Diamantina

1) Mochila:
Se estamos falando sobre o que levar naturalmente temos que citar onde levar. Uma boa mochila resistente, de 10 a 30 litros, já é suficiente para dar conta de carregar tudo com tranquilidade e segurança.

2) Documento de identificação:
Item indispensável em qualquer viagem, ainda mais em se tratando de locais onde existem longas trilhas. Sempre é bom carregar consigo alguma cópia de um documento para qualquer eventualidade.

3) Dinheiro:
Algumas das principais cidades que servem de base para os passeios, como Lençóis, contam com alguns caixas eletrônicos, mas o ideal é levar para os passeios dinheiro em espécie para emergências e pagar adicionais não previstos nos pacotes como rapel e tirolesa, entre outros.

4) Tênis/bota:
Sem dúvida um dos itens mais importantes da lista. É imprescindível contar com uma boa bota ou tênis apropriado para trekking. Eles devem ser confortáveis e fortes para dar conta do recado e evitar os indesejáveis calos.

5) Chinelo/sandália:
Em alguns momentos é preciso trocar os calçados fechados pelos abertos para passar em alguns pontos das rotas. Por isso, um chinelo ou sandália deve ser levado até para dar um justo descanso aos pés depois de um dia inteiro de caminhada.

6) Roupas leves:
Como o calor é companheiro diário na Chapada a dica é apostar nas roupas leves e esportivas, de preferência camisas de manga longa e com proteção UV. Elas ajudam a proteger do sol que independentemente da época do ano costuma castigar.

7) Chapéu/boné:
Aproveitando que o assunto é sol não deixe de incluir na lista de coisas a levar um boné ou chapéu. No primeiro caso é bom apostar naquele tipo com aba grande e no último caso é interessante aquele tipo com protetor de nuca.

8) Óculos escuros:
Para finalizar a proteção para o sol não se pode descuidar dos olhos e aí um bom óculos escuros faz a diferença para não agredir a visão e deixá-la mais confortável.

9) Casaco:
À noite a temperatura cai consideravelmente às vezes e por isso é importante contar com algum casaco, sendo os do tipo corta-vento mais indicados. Nem precisa ser muito grosso. Geralmente um de tecido fino já resolve.

10) Remédios e itens pessoais:
Nunca se sabe quando vai surgir uma emergência por isso é melhor prevenir e levar consigo alguns medicamentos e produtos de uso pessoal por segurança. Remédios como antialérgicos, relaxantes musculares e de uso contínuo não devem ser esquecidos.

11) Roupa de banho:
Quase todos os roteiros incluem banhos em cachoeiras e rios então levar umas duas ou três peças de traje de banho é o mais indicado porque enquanto uma seca a outra está sendo usada.

12) Toalha:
Secar ao sol nas caminhadas de retorno dos passeios é bom, mas ainda assim a toalha é indispensável. Dê preferências aquelas não muito grandes, com grande poder de absorção e secagem rápida.

13) Protetor solar:
Não se deve brincar com o sol da região, mesmo em dias nublados. O protetor solar é fundamental, mas não se deve exagerar na dose antes dos banhos nos rios não poluí-los muito.

14) Capa de chuva:
Na dúvida não tenha dúvida e leve. É o tipo de coisa que se compra sem querer usar pensando em dia de sol, mas ela pode te salvar se o tempo fechar no meio do passeio. Elas são achadas com facilidade nas cidades. Eu comprei, não utilizei, mas me senti seguro em tê-la na mochila.

15) Repelente:
Os insetos estão lá no ambiente deles e você é o visitante, então é melhor se preparar para uma convivência pacífica com eles. Por isso, passar o repelente já é uma tarefa que deve ser incluída na rotina enquanto estiver no local. No geral, não senti muito a presença deles, mas é melhor se precaver.

16) Água:
Como todo e qualquer item vital, a água não pode faltar. Dependendo do trajeto percorrido garrafas de um a dois litros dão conta do recado e garantem uma boa hidratação ao longo da caminhada. Se for do tipo térmica melhor ainda para conservá-la fria por mais tempo.

17) Lanterna:
Taí um item importante não só para passeios à noite. Alguns roteiros de dia incluem visitas a cavernas e nessas horas é bom ter uma lanterna em mãos para poder desfrutar melhor da experiência e com segurança. Ao anoitecer ela é fundamental para se guiar sem sustos no caminho.

18) Câmera Fotográfica:
Cada paisagem da Chapada Diamantina merece ser registrada e para isso é imprescindível levar uma câmera fotográfica compatível com as belezas naturais da região. Como os passeios são longos e duram um dia inteiro ou até vários dias é prudente levar baterias extras e andar com carregadores de baterias portáteis.

19) Lanche:
Tanto esforço claro que gera fome e é importante se manter bem alimentado para dar conta dos roteiros que geralmente são um pouco puxados. Na hora da fome aposte em lanches mais leves como frutas, barras de cereais, chocolate, etc.

20) Sacola plástica:
Sujou, limpe. A regra básica de convivência e higiene se torna ainda mais imperativa em locais de preservação como a Chapada Diamantina. Portanto a sacola plástica deve sempre estar ao alcance das mãos para guardar resíduo que possa ser produzido ao longo do caminho.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios